SUA FONTE SOBRE O F(X) NO BRASIL

Matéria escrita originalmente por Hannah Waitt.

“Em 2013, o f(x) foi atração principal do primeiro showcase de K-pop no SXSW, possivelmente o festival de música mais influente do mundo. Naquela época, eu trabalhava em uma enorme tese sobre a indústria da música coreana. Algumas semanas antes do showcase, eu recebi uma mensagem de texto de uma colega que me ajudava com a tese dizendo que a irmã mais velha de Amber viria à Austin para o festival, e perguntou se eu não poderia acompanhá-la pela cidade já que ela não conhecia mais ninguém por aqui.

Jackie e eu nos tornamos amigos durante os cinco dias que ela passou em Austin. Ela tem um gosto musical incrível, um senso de humor divertido mas um pouco nojento e, se tem alguma coisa que ela deixou extremamente claro, é que ela é a maior fã do f(x) que existe.

Quando o f(x) chegou em Austin, eu levei Jackie até os hotel para que ela pudesse passar um tempo com sua irmã (mas não antes de comprar 20 tacos para Amber, no Jack In The Box, claro). Assim que chegamos, Jackie abraçou Amber tão apertado que eu pude sentir os ossos quebrando, e então olhou para a irmã dos pés a cabeça. Ela mediu os seus pulsos, sacudiu o cabelo, apertou as bochechas, perguntou se Amber estava comendo direito, se ela estava se cuidando e cuidando das amigas, perguntou dos cachorros e então a abraçou novamente.

É impossível alguém amar Amber mais do que Jackie ama, e é por isso que decidimos escrever para vocês um relato, em primeira mão, de como foi o primeiro concerto solo do f(x), contado pela maior fã do grupo:

Já faz algum tempo desde que eu vi o f(x) ao vivo, e nunca as vi performar mais que 2 músicas em algum festival na America.  Eu ia aos bastidores, dava um abraço pra Amber e ela voltava rapidamente para a Coreia. Quando o primeiro show delas foi anunciado, claro que eu tive que ir.

Na minha primeira semana em Seoul, Amber e as meninas estavam praticando todos dos dias até as 3 da manhã, mas sempre animadas e cheias de energia. O dia [do concerto] chegou muito rapidamente, de repente as luzes se apagaram e as luzes roxas se acenderam. O mar de lightsticks era lindo e inspirador. Eu estava completamente imersa no vídeo de abertura, que era obscuramente artístico, e de alta qualidade. Quando a primeira música, Eletric Shock, começou, a plateia toda começou a dançar loucamente e balançar os lighsticks. O fandom finalmente poderia se divertir com seus próprios lightsticks, e foi incrível.

A beleza de ficar 5 anos sem ter seu próprio concerto é que esse show não estava promovendo nenhum álbum específico. Foi algo como “vamos tocar as nossas músicas favoritas” por 2 horas e meia. Elas conseguiram performar mais que 30 canções, e apenas 2 delas eram músicas lentas (as duas consecutivas, inclusive).

A segunda melhor coisa em vê-las ao vivo, é poder ver as coreografias completas. Sabe quando os operadores de câmera nos programas musicais tem algum tique e te deixam tontos por mudar de ângulo umas 100 vezes? Bem, ao vivo não tem nada disso. Os dois amigos experientes Aron (NU’EST) e Kevin (U-KISS) aconselharam Amber que ela guardasse energia para os 3 dias, mas isso era praticamente impossível, o concerto era quase uma rave.

Depois de todos esses anos, foi uma aventura ver Amber crescer com o f(x). Desde a primeira, super desconfortável, apresentação com LA-chA-TA até hoje, ela se tornou extremamente confiante no palco e pode ser a pessoa divertida e alto astral que ela é no dia a dia. A pessoas me perguntam “Ela mudou depois da fama?” e a resposta é sempre a mesma: Não. Porque eu sei que até hoje ela continua se divertindo muito.

Créditos: moonrok

Traduzido por Kau @ f(x) step
Não retire do f(x) Step sem os devidos créditos

 

Comments on Facebook